julho 22, 2013

'22 de Julho

Ela entrou no bar com o sabor azedo da chuva nos lábios e o casaco de cabedal folgado.
Os cabelos negligenciados pelo aguaceiro, tal como os dedos dele, que teriam resultado de algum esforço recente, e que seguravam o copo de uisque.
Havia nele um certo ar de represália, e no entanto doce, quebrando.
Ela juntou-se-lhe no movimento pedindo um copo de vinho. Não se conheciam.
Partilhavam apenas as 02h da manhã de uma madrugada de Dezembro.


5 comentários:

  1. cada vez me "apaixono" mais pela tua escrita.

    ResponderEliminar
  2. sim, é verdade, mas de momento não falo do mundo e apenas de algumas pessoas

    ResponderEliminar