abril 25, 2015

Agora mesmo

Está gente a morrer agora mesmo em qualquer lado 
Está gente a morrer e nós também 

Está gente a despedir-se sem saber que para 
Sempre 
Este som já passou Este gesto também 
Ninguém se banha duas vezes no mesmo instante 
Tu próprio te despedes de ti próprio 
Não és o mesmo que escreveu o verso atrás 
Já estás diferente neste verso e vais com ele 

Os amantes agarram-se desesperadamente 
Eis como se beijam e mordem e por vezes choram 
Mais do que ninguém eles sabem que estão a 
                               [despedir-se 

A Terra gira e nós também A Terra morre e nós 
Também 
Não é possível parar o turbilhão 
Há um ciclone invisível em cada instante 
Os pássaros voam sobre a própria despedida 
As folhas vão-se e nós 
Também 
Não é vento É movimento fluir do tempo amor e morte 
Agora mesmo e para todo o sempre 
Amén 

Manuel Alegre, in "Chegar Aqui" 

4 comentários:

  1. Obrigada por mostrares este poema, divino!

    ResponderEliminar
  2. Olha eu nunca fui muito com a poesia do manuel alegre mas este está mesmo bonito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e declamado por ele ainda é mais bonito Ernesto!:)

      Eliminar