maio 09, 2013

Também desenvolvo amor pelos passageiros do comboio. Partilham o comum que existe num instante, e se essa existência se anulasse eu ficaria muda e triste.
Também amo os estranhos do comboio que estão sempre lá à mesma hora. No fundo sou vítima da esperança.
Rezo.

1 comentário:

  1. À falta de atenção, começamos a dar valor a tudo o que nos rodeia! *

    ResponderEliminar